jogatina

Agência Pará
Agência Pará
pa.gov.br
Ferramenta de pesquisa
ÁREA DE GOVERNO
TAGS
REGIÕES
CONTEÚDO
PERÍODO
De
A
TERRAS E ASSUNTOS RURAIS

Estado inicia série de conferências para discutir a promoção da Agricultura Familiar no Pará

Por Matheus Rocha (SEAC)
08/11/2023 16h36

O Governo do Estado deu início, na última terça-feira (7), à 1ª Conferência Regional da Agricultura Familiar e Comunidades Tradicionais do Pará. O evento, realizado em um hotel, na capital, reuniu representantes da sociedade civil organizada e poder público para discutir potencialidades, desafios e demandas de aperfeiçoamento e proposição de ações e políticas públicas de promoção dos agricultores familiares e comunidades tradicionais, bem como de desenvolvimento rural sustentável, a serem previstas no Plano Estadual da Agricultura Familiar e Comunidades Tradicionais. 

Promovida pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SEAF), a programação marca o início de uma série de seis eventos que vão ocorrer até o próximo dia 7 de dezembro. Além de Belém, também vão receber as etapas da conferência os municípios de Abaetetuba, Marabá, Redenção, Altamira e Santarém.

A realização das etapas regionais da Conferência visa levar as discussões sobre os temas propostos a todas as regiões do Estado. As etapas servem de preparação para a Conferência Estadual, que ocorre no próximo dia 12 de dezembro, em Belém. Na ocasião, será apresentado o Panorama atual e o Plano Estadual da Agricultura Familiar e das Comunidades Tradicionais do Estado do Pará.

O Secretário de Estado da Agricultura Familiar, Cássio Pereira, destacou a importância das conferências. “O Pará vive um momento inédito em que os agricultores familiares e as comunidades tradicionais terão um Plano de Desenvolvimento construído de forma colaborativa entre governo e sociedade e que servirá de orientação para as políticas públicas de desenvolvimento destes segmentos sociais”.

Números - No estado do Pará, agricultores familiares e comunidades tradicionais paraenses (AFCT) representam entre 250 e 300 mil famílias que vivem e produzem no campo, nas águas e na floresta. São agricultores urbanos e periurbanos, assentados da reforma agrária, colonos, chacareiros, horteiros, pequenos produtores rurais, ribeirinhos, extrativistas, quilombolas, açaizeiros, seringueiros, quebradeiras de coco babaçu, castanheiros e andirobeiras são agricultores familiares em grande parte de comunidades tradicionais. Essas famílias estão em todo o estado do Pará em áreas de colonização da década de 70, nas proximidades das cidades e vilas, nas comunidades tradicionais ribeirinhas, em 27 reservas extrativistas, 1.030 Assentamentos Rurais e 527 Comunidades Quilombolas (1/3 destas com título de propriedades da terra).

Os AFCT são responsáveis pela maior parte dos alimentos que abastecem a mesa dos paraenses (mandioca, hortaliças, grãos, produção de leite, mel, pequenos animais, cupuaçu, banana, maracujá e outras frutas), são os principais produtores de pimenta-do-reino, açaí e cacau, produtos relevantes na pauta de exportação paraense, bem como pela oferta dos produtos da sociobioeconomia (andiroba, castanha, borracha, babaçu, pupunha, copaíba). Portanto, são fundamentais para segurança alimentar e nutricional, inclusão socioprodutiva pela geração de empregos e crescimento da economia, assim como pelo uso sustentável das florestas, desempenho estratégico na conservação da biodiversidade e redução dos efeitos adversos das mudanças climáticas.

jogatina Mapa do site